Lusitanos Oxford

Close Protection/Proteccção Pessoal: No Rasto do Perigo Iminente

-Derivado da  Formação obtida na ESA no meu ponto de vista além de graves falhas de segurança,  que existiram na protecçao de um alvo considerado de alto risco os tristes acontecimentos  ocorridos em França nos atentados contra a Revista Charlie Hebdo poêm a nu as Fragilidades da Sociedade Civil em prevenir este tipo de acontecimentos. Demostrando a ausência de uma política de prevenção real.  Como podera a sociedade civil prevenir determinados acontecimentos que se revelam perigosos normalmente com a perda lamentavel de vidas humanas?  Teremos que ter uma sociedade “Militarizada”irao questionar alguns? Será uma solução baseada no apparteid um mal menor que garanta a segurança da maioria da população poderão pensar outros…a  solução na minha modesta opinião não passa evidentemente por nenhuma dessas “soluções”abdominaveis  que para além de serem contrárias ao espírito democrático existentes nas sociedades de direito nos dias de hoje não iriam resolver nenhum problema mas so aumentar o mesmo. Entao o que fazer nao tendo a sociedade civil os meios ou conhecimentos que uma instituição militar ou policial tera para combater o crime organizado  ou outros males como o terrorismo?  Na minha perspectiva pessoal a resposta passa por um conceito muito simples o da prevencao real e efectiva e não apenas na prevenção virtual!! A solução para essa prevenção em casos semelhantes ao caso Charlie Hebdo e não so dá pelo nome de CLOSE PROTECTION/PROTECCAO PESSOAL.  Para poder explicar este conceito tive que eu proprio  aprender não só na teoria mas  como também na práctica como não podia deixar de ser. Dei por mim a reflectir e não demorou muito tempo a chegar a conclusão que precisava de um novo desafio onde pode-se aprender algo  que do meu ponto de vista fosse util nao só a nível profissional mas também a nível pessoal.

Descobri entao a ESA(Academia de Seguranca Europeia)considerada a melhor a nível Europeu e uma das mais reconhecidas a nível Mundial(Como pude comprovar pela presença de jornalistas franceses e Polacos). Logo me chamou a atenção o Curso de Operacional de Proteccao Pessoal.  Numa altura do ano considerada de forma geral pouco apelativa para este tipo de formação(em pleno agosto onde a maioria prefere umas ferias a beira mar )Meti mãos a obras e fiz uma viagem que me levou as Instalações da Famosa Academia a cerca de uma hora de caminho da Cidade de Poznan na Polonia.  Tinha feito alguma preparação tanto a nível físico como psicológico umas semanas antes sabendo de antemao que o Curso de Close Protection/Proteccao Pessoal seria um dos meus maiores desafios que iria encontrar ate aos dias de hoje.  Contudo era um caminho desconhecido sobre uma area onde apesar de ter alguns pontos em comun com o regime militar o qual conhecia por experiencia propria ou  até com o servico de seguranca que exerço a nível professional seria como viria a confirmar um desafio onde o mistério de certa forma marcava a diferenca.  Nada me podia ter preparado para determinado tipo de situações com as quais viria a ser confrontado! Depois de todo o processo logistico completo chegou a altura da introducao de todo o Grupo.  Cerca de 14 homens quase todos de nacionalidades diferentes onde era facil de perceber que a determinacao  reinava em todo o grupo.  A maioria dos meus colegas tinha experiencia militar de Elite.  Legião estrangeira, Forças Especiais Romenas,  Polícia Eslovacos, Exército Polacos com missoes no Afeganistão… enfim um conjunto de factos que confirmaram as minhas suspeitas:  um regresso a algo parecido com o serviço militar com colegas determinados e destemidos. Procurando evitar detalhar todos os pormenores que considero ser irrelavantes sem  razão de ser nesta crónica, entre aulas teóricas, crosses matinais, artes marciais, instrução de formações, aulas de tiro tanto com pistola como com metralhadora, granadas de fumo ,snipers , entre exames practicos e teóricos  e com uma “Missao” bem real realizada em vários locais entre cidades, vilas, florestas em sitios isolados ou muito povoados a ultima missão durou mais de 40 horas e muitos quilometros sem dormir!!!  Contudo o que me supreendeu para alem da forte uniao que se criou num conjunto de homens com culturas e linguas diferentes foi  o quase total desconhecimento que a sociedade civil tem sobre os perigos iminentes que a rodeiam de forma diaria.  Junto a isso uma falta de informação que considero simplesmente inaceitavel! Entre os muitos casos que estudei durante as gratificantes semanas que passei na Academia de Segurança Europeia, estudei com atençao o rapto na decada de 70 do então primeiro ministro Italiano Aldo Moro.  As rotinas que tinha por hábito manter levaram a que fosse raptado em plena cidade de Roma durante uma manhã pelas brigadas vermelhas junto a um cruzamento onde todos os dias passava a mesma hora.  Essas mesmas rotinas custaram a vida de toda a sua equipa de proteccao que talvez  tenha baixado a guarda confiantes demais no velho ditado “so acontece aos outros”pois manter rotinas e pedir sarilhos e nesta delicada e perigosa função um erro pode custar vidas.  Sendo a prevenção o ponto forte de um operacional de protecção pessoal  cumprir esse objectivo delicado que e de proteger a pessoa que lhe esta a confiar a vida tem que se tomar medidas!  Para isso há que primeiro tentar evitar o perigo, detectar o mesmo, e em ultima instância enfrentar e anular o perigo independentemente do tipo ou nível do mesmo.

Contudo há varios níveis de perigo: o quase nulo ou não existente onde se recorre a um operacional(segurança assistida)o perigo reduzido onde dois operacionais sao por norma suficientes(definição conhecida por segurança de escorte).  Contudo quando o nível de segurança é considerado medio elevado entao a equipa de seguranca tem por norma 3 ou mais elementos tudo dependendo do nível de perigo,do cliente e principalmente do orçamento e disponiblidade financeira.  Para vos dar um pequeno exemplo o conhecido empresário Americano Bill Gates conta com uma equipa de segurança composta por 78 elementos onde se incluem todos os grupos de operacionais: condutores, equipa de reconhecimento, Grupo de Proteccao Pessoal, Seguranca da Residencia etc como tal baseado nesta formacao  tanto a nível teorico como práctico  o caso Charlie Hebdo  chama-me a atenção:  sendo do conhecimento pύblico a realização de ameacas e ataques anteriores e sendo considerado um caso de alto risco como poderia o mesmo estar protegido por apenas um operacional do departamento de segurança pessoal da Polícia Francesa?! Neste caso não se coloca sequer a questão do orcamento visto este ser coberto pelo estado Francês!! Consciente do perigo que a Revista Satírica e os seus elementos corriam pode-se argumentar que era um edicio fechado  “protegido”por um codigo de acesso onde coabitavam varios serviços para além de revista Satírica. Tive contudo o previlégio de durante a missão realizada em terras polacas de ter sido confrontado com uma situação semalhante tanto a nivel teórico mas como principalmente a nível practico.   E acho simplesmente inaceitavel que perante o risco existente apenas a presenca de um operacional possivelmente armado com uma Pistola semi-automatica(sendo as Glock Normalmente calibre 17 ou 19 as mais populares para este tipo de trabalho havendo em raras situações metralhadores semi-automaticas  as quais destaco as MP5)que perante um ataque supresa perante a formacão militar dos atacantes e do poder de fogo que estes dispunham(Kalahsnikov) e em inferioridade numérica pouco ou nada pode fazer. A que se deve entao este desleixo por parte das autoridades Francesas? Acredito que tal se deve a pressão e falta de consciencia da sociedade civil para este tipo de situaçao onde é preferível criticar o porquê de o estado gastar dinheiro neste tipo de protecção quando este mesmos operacionais podiam estar noutros locais a fazerem algo que a sociedade considera de mais ύtil.  Um erro crasso infelizmente muito comum!  Que expõe a falta de conhecimento revelada!! Tendo como consequências situações dramáticas e onde fica a sensação que em vez de lamentos com canetas na mao podia-se ter evitado esta tragédia houve-se uma outra consciencialização e Política de Prevenção.  Infelizmente a tendência diz nos que as alteracões so ocorrem após as lamentações…

Por Nelson Tiago da Silva

Close Protection Operative Graduate

ESA(European Security Academy)

Hand Gun Operator and ex Military/Agente de Protecao Pessoal 

Graduado na ESA(Academia de Seguranca Europeia)

Operacional de Pistola semi Automatica e ex Militar

About author