Lusitanos Oxford

A Consciência e a Física Quântica

Entender o que é consciencia e qual a sua funcão é um tópico polémico, bem como problemático. Por exemplo, se fizermos uma analyse de um ponto de vista neurocientífico podemos afirmar que consciência é uma combinação complexa de impulsos neuro-químicos.

Este tema foi abordado por vários filósofos na antiguidade incluindo Platão, Aristóteles, e Sócrates. Mais recentemente um dos filósofos europeus mais proeminente nesta area foi René Descartes e a sua abordagem conhecida por “Dualismo Cartesiano”. Descartes afirmou de que existe uma clara distinção entre o corpo e a mente. Porém tais conjecturações são tidas hoje em dia como difíceis de serem comprovadas aos olhos da ciência.  Muito embora esse seja o caso, foi através do princípio “penso, logo existo”, que Descartes propôs de que a consciência surge como modelo e fundamento do conhecimento humano. Desta forma ele afirmou também de que é através da consciência que o individuo pode saber se ele/ela mesmo existe, ou saber o que ele/ela é em um devido momento.  Isto é, como Descartes porpós, um ser  pensante, uma alma independente do corpo.

 

Não obstante, hoje em dia existem varias definições e abordagens tanto teóricas quanto científicas. Talvez uma das abordagens que mais aproximou teoria e factos sobre o fenómeno consciência é a Física Quântica.  Poderá se argumentar de que qualquer fenómeno microscópico é simultaneamente um fenómeno quântico.  Visto que o nosso cerebro é constituido de entidades microscópicas, o mesmo pode ser visto como uma máquina quântica.  Nos anos 60 Karl Pribram propós uma abordagem matemática chamada modelo “holonômico” para o cérebro.  Assim, Pribram estableceu a noção para a idea de que o nosso cérebro funciona tal qual um holograma, obedecendo assim a princípios matemáticos e padrões de ondas electromagneticas.  Em conlusão, é plausível supor que o mistério da consciência seja desvendado pela física quântica sendo que o cérebro é regido por leis análogas às da mecânica quântica.

 

Mauro Ramos Pereira

About author